<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
7.9.05
 
Cani Cultura 2

Colleen Gjefle

Evidentemente que a pergunta fundamental é se alguma vez existiu um ser chamado “Homem”.
Presentemente, na ausência de provas positivas, o raciocínio prudente leva-nos a concluir que não existiu e que o Homem, tal como é apresentado na lenda, é um produto da imaginação popular.

Contudo apesar destas conclusões prudentes, há quem veja no Homem um deus antigo, um visitante de uma terra ou dimensão mística que chegou, deu a sua ajuda e depois regressou ao ignoto.

Há ainda outros que acreditam que o Homem e o Cão cresceram simultaneamente como dois animais cooperadores que podem ter sido complementares no desenvolvimento de formas culturais, mas que em certa altura, já perdida no tempo, os seus caminhos se diferenciaram.

Entre todos os factores dos contos (e são bastantes), o mais confrangedor é a sugestão de reverência conferida ao Homem.
É uma reverência que ultrapassa a descuidada adoração do deus tribal, e instintivamente sente-se que está profundamente enraizada nalguma crença ou rito hoje esquecido, envolvendo a Pré-história da nossa raça.


Clifford D. Simak, City, Gnome, 1952
Comments:
Não sei porquê, já li há muitos anos, isto faz-me lembrar umas histórias de bichos do Henrique Galvão. Boas histórias.
Abraço.
 
:)
Histórias de bichos são as nossas, caro Csa.
 
A reverência conferida ao "Homem" (seja 2 em 1 ou só mesmo Ele...) é uma das calamidades que Nos assolam... seres animados, desanimados ou inanimados...
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger