<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
16.8.05
 
Cosmos 7: Precious motes of dust

Space.com

A Terra é um lugar.

Não é de modo nenhum o único lugar.
Nem sequer é um lugar típico, porque o Cosmos está, na sua maior parte, vazio.
O único lugar típico é dentro do vácuo universal vazio e frio, a noite eterna do espaço intergalático, um lugar tão estranho e desolado que, em comparação, os planetas, as estrelas e as galáxias parecem dolorosamente raros e belos.

Se fossemos inseridos ao acaso no Cosmos, a probabilidade de nos encontrarmos num planeta ou perto dele seria inferior à razão de 1 para mil triliões de triliões (1 seguido de 33 zeros).


Os mundos são preciosos.


Carl Sagan, Cosmos (1980)
Comments:
vazio?
 
É o Sagan que o diz...
Creio que também poderia dizer, muito pouco denso.
Mas mesmo muito, muito pouco!

Mas corrija-me se estiver errado.
Sou dos que só sabe que nada sabe.

Abraço pra Moçambique, amigo Jpt
 
pois eu também vi que era o Sagan. mas também já por aí li umas divulgações a dizer que o nada, enfim, o nada ...
sei lá, sinto-me vazio de saberes

outro
 
Vazio absoluto não é, mas é como se fosse.

Isto é, a expansão do Big Bang vai afastando a matéria inicial, vão-se criando concentrações de massa por acção da gravidade, e no meio existe radiação, fotoes e neutrinos, energia sem massa segundo a formula de Einstein e=mc2.
É a isso que Sagan chama vazio, mas não é vazio absoluto, aliás não pode ser vazio, um universo que há cerca de 15 milhões de anos tinha toda a matéria concentrada num ponto infinitamente mais pequeno que a ponta de uma agulha.

"a actual densidade de matéria no universo é muito pequena – cerca de uma massa solar por mil milhões de anos-luz cúbicos"

Ver aqui: http://www.portaldoastronomo.org/tema_pag.php?id=16&pag=4

É o que este seu humilde mas curioso amigo, pode por agora dizer.
 
Perdão, 13 a 15 mil milhões de anos.
A palavra mil faz diferença :)
 
:-) bonita discussão, entre o poeta e o cientista
 
:)os poetas os cientistas complementam-se....
 
Queridos amigos, pelo meu caro Jpt não falo, mas quanto a mim, não sou nem uma coisa nem outra.

Não passo de um copista pigmeu, sentado nos ombros de gigantes :)
 
Não passo de um copista pigmeu, sentado nos ombros de gigantes - copista inteligente sabe escolher ombros de qualidade!, acrescentaria eu... go on, CBS!!
Abraço, IO.
 
Caríssimo "copista pigmeu", felizmente há-os como aqui é: a trazer-nos delícias e a levar-nos mais longe! talvez por isso, por nos facilitar a escalada aos ombros deles, sim, dos gigantes!
:)
 
Copista pigmeu... ahahahah... isto "Ele" diz cada uma!
;)
 
:) é mesmo Maria....
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger