<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
7.4.06
 
O fruto da consciencia ou da àrvore da sabedoria

Contempla o rebanho que se apascenta diante de ti.
Não sabe o que é ontem nem o que é hoje.
Corre daqui para ali, come, descansa, volta a correr e assim da manhã à noite, um dia e outro, ligado imediatamente aos seus prazeres e dores, cravado no instante presente, sem demonstrar nem melancolias nem aborrecimento.

É com tristeza que o homem contempla semelhante espetáculo porque se considera superior ao animal e, no entanto, inveja a sua felicidade.
Isto é o que ele queria: não sentir, como o animal, nem desgosto nem sofrimento e, no entanto, quer de outra maneira porque não pode querer como o animal.

Pode suceder que um dia o homem pergunte ao animal: porque não me falas tu da tua felicidade, e não fazes nada senão olhar-me?
E o animal talvez quisesse responder e dizer: porque esqueço a cada instante o que quero responder.
E, enquanto preparava esta resposta já a tinha esquecido e silenciou...

Friedrich Nietzsche, Considerações Intempestivas, Ed. Presença. 1977

Etiquetas:


Comments:
Grande texto de Nietzsche. Até porque estou realmente convencido (cada vez mais) que nós somos uma espécie grotesca. Abraço!
 
Abraço Castorex Castoriadis ;)
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger