<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
6.4.06
 
Dos dias monótonos

Nos grandes momentos todos são heróis;
Tem-se sempre a ideia, embora vaga, de que se está representando e que o papel se deverá desempenhar com perfeição;
De outro modo não aplaude o público.

Depois as epopeias duram pouco;
Todas as forças se podem concentrar, faz-se um apelo supremo à suprema energia;
Em seguida permite-se o descanso, a mediocridade que apazigua e repousa;
Nada mais vulgar do que um herói fora do seu teatro.


O que a vida apresenta de pior não é a violenta catástrofe, mas a monotonia dos momentos semelhantes;
Numa ou se morre ou se vence, na outra verás que o maior número nem venceu nem morreu: flutua sem Norte e sem esperança.

Não te deixes derrubar pela insignificância dos pequenos movimentos e serás homem para os grandes:
Se jamais te faltar a coragem para afrontar os dias em que nada se passa, poderás sem receio esperar os tempos em que o Mundo se vira.

Agostinho da Silva, Considerações e outros textos, Assírio&Alvim 1988

Comments:
Grato beijo, IO.
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger