<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
1.11.05
 
Do urbanismo pombalino

SNIG.IGEO

Após o terramoto de 1755, que destruiu quase totalmente a parte baixa da cidade, as decisões de reconstrução de Lisboa, segundo novo plano, colocaram dois tipo de problemas.
De ordem cultural na escolha do modelo de cidade a adoptar.
De ordem técnica e de gestão no que se refere aos processos de reconstrução, reparcelamento e reestruturação do cadastro.
O plano escolhido de Eugénio dos Santos e Carlos Mardel, organiza ambas as questões: traçado ao gosto da época, mais influenciado por um racionalismo iluminista que pela exuberância do Barroco; sistema de “quarteirões” que permite a operação fundiária e de gestão financeira da reconstrução da cidade.

A configuração e dimensão do quarteirão pombalino afasta-o do sistema tradicional utilizado na época.
O quarteirão é estreito, constitui quase um bloco edificado com um “saguão” ou vazio interior.
Para esta imagem concorre também a regularidade e repetição das fachadas, a estandardização de vãos e elementos construtivos e a altura uniforme dos edifícios, que aumentam a sensação de bloco edificado.
Na realidade o quarteirão é dividido em lotes e edifícios uniformes, quase iguais, numa disciplina arquitectónica raras vezes conseguida.
Raramente se terá obtido unidade tão completa entre urbanística e construção, entre cidade e arquitectura.

O quarteirão da Baixa Pombalina anuncia também as potencialidades de modificação em favor do edifício (bloco) peça única e geradora da malha urbana.
Embora falte a sequência de exemplos que permita assegurar esta interpretação, pode-se encontrar determinada assimilação do quarteirão ao bloco, num sentido de modernidade que volta a surgir mais tarde na pesquisa morfológica do séc. XX.
O quarteirão da Baixa é, antes do mais, o elemento por excelência da composição urbana, no volume, cércea, dimensão e estrutura arquitectónica.

A Baixa Pombalina constitui um marco importante na história do urbanismo clássico, já pela dimensão da intervenção, já pela situação de reconstrução da cidade, já pelas características físicas e morfológicas do seu plano.

José Ressano Garcia Lamas, 1988, Morfologia urbana e desenho da cidade

Comments:
Q boa a foto de cima, mas não consigo distinguir qual é a Praza Marques de Pombal para procurar a rua Rodrigo da Fonseca.
 
:)
pá, sóse vê a zona do vale da Baixa entre a Praça do Comércio em baixo e o Rossio em cima; o Marquês fica fora e vista.

abraço
 
ahh, sim ! alí está a Praça do Comercio, logo mais acima Rossio. Já estou a ver...
 
Isso foi antes do incendio do Chiado, não foi?
 
Q interessante post. Onde que há mais fotos aereas de Lisboa?
 
Creio que é posterior ao incendio.
Podem ver-se alguns edifícios claros , caso do cotovelo da rua do carmo, que devem estar reconstruídos.

Sinceramente, não sei onde há mais; meti a primeira que encontrei.
Podes lá ir pelo endereço que está sob a imagem.

abraço Chute
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger